Esplanada dos Ministérios

A Esplanada dos Ministérios no olhar único da fotógrafa Janine Moraes.

Desde que trabalho como fotógrafa cultivo uma “gaveta” de fotos extra-oficiais. Vez ou outra, consigo emplacá-las nos veículos de comunicação para os quais trabalhei e trabalho, mas a maior parte vai prum depósito confuso, d’onde pinço esse ensaio – em construção.

Escrevo e fotografo diretamente da rotina do cafezinho servido e dos apertos de mãos engravatados, num cenário temeroso, por vezes, desconfortável, demasiado formal, cheio de padrões, condutas, cerimônias, concreto, hierarquias, planejamento e muitos, muitos atores.

Como é pela Esplanada que passo a maior parte do tempo, ela acaba tomando contornos de casa, mais pela familiaridade do que pelo acolhimento… Pr’além dos trabalhos para os quais sou contratada, mantive uma busca-respiro por evidências de diálogo, interação e na construção de questionamentos que me ajudem a complexificar a descrição desse espaço e situá-lo no tempo politicamente.

Essa procura é realizada em andanças, num raio pequeno, não mais que um quilômetro, inclusive dentro do prédio onde trabalho.

De todas as perguntas que faço, a que mais me comove é como interagiriam meus avós nesse ambiente feito para não os caber, para acomodar e remunerar bem apenas alguns. Desconfio que carregariam meu desconforto potencializado. Considero-os detentores de saberes outros, diferentes dos habitualmente valorizados por aqui. Uma gente sabida da vida simples e dura, privada de oportunidades de estudo, mas que conseguiu me lançar ali, onde os procuro enquanto penso esse espaço de trabalho.

 

Janine Moraes

17 de julho de 2017