Cuba, Quênia e Índia

Um ensaio fotográfico arrebatador a partir das viagens de Alan Schvarsberg

O convite para expor fotos na Seca é daqueles momentos em que eu paro e penso sobre minha relação com a fotografia, sobretudo por ter dificuldade em me identificar como fotógrafo.  Apesar de gostar muito, é algo que está muito mais vinculado à minha vida através do cinema, no ofício de diretor de fotografia, onde me desenvolvo há cerca de 8 anos, entre séries e filmes de ficção e documentário. Apesar de existir inúmeros elementos que unem e que separam os dois tipos fotográficos, sejam eles técnicos, físicos, mecânicos, químicos ou éticos e filosóficos, existe uma interseção fundamental que me move e me interessa em ambos: contar histórias por meio da imagem. Ao mesmo tempo, o que me atiça e pertence apenas à foto still é o desafio compor uma narrativa em apenas um frame, onde o antes, o durante e o depois daquele instante captado são construídos por cada sujeito que interage com essa imagem.

Costumo dizer que meu trabalho é uma grande desculpa que me permite lançar um olhar sensível e subjetivo pro que está ao meu redor e que me permite conectar-me com sujeitos que, não fosse a câmera, não me doariam generosamente horas, dias, às vezes meses, de suas vidas para que eu possa acompanhar através das lentes.

Esse trabalho tem me levado pros quatro cantos da bola onde, sempre que posso, cato minha câmera fotográfica e deixo o audiovisual de lado. (Inclusive já perdi takes importantes por optar pela foto ao invés do vídeo).

Abaixo, algumas fotos em três viagens relativamente recentes: Cuba, onde tive o não tão árduo trabalho de flanar; além de Quênia e Índia, onde estive rodando o documentário Voices of Children, focado na primeira infância, o qual gravamos também no Brasil, EUA e Cingapura.

Confira também o Instagram do autor

 

Alan Schvarsberg

14 de junho de 2018