As caras do jazz

Retratos do público de jazz na capital, pelas lentes de quem está no palco

Mavi Dutra é multiartista: canta, fotografa, desenha, pinta e, como se não bastasse, tem a mais bela caligrafia deste grande país. A Revista Seca entrou em contato com ela e propôs uma brincadeira: que ela aproveitasse os shows em que canta e escolhesse algumas pessoas da plateia para fotografar, e com esses retratos montasse um ensaio.

O jazz, pelo menos aquele que é consumido em Brasília, tem um duplo caráter que julgamos interessante. Além de ser um estilo musical consagrado e distintivo, também serve como música ambiente. Daí que surgem, essa foi nossa hipótese, pelo menos dois grupos de ouvintes: aqueles que de fato querem ouvir a música (pelo motivo que for) e aqueles que só querem alguma música de fundo enquanto fazem outra coisa, como jantar ou casar.

Essa pauta surgiu para retratar tipos interessantes ou representativos que frequentam lugares que tocam jazz em Brasília. E ninguém poderia ser melhor que a Mavi para desenrolar isso!

Mavi Dutra

14 de junho de 2017