Com Pimenta

“A Refavela revela o choque entre a favela-inferno e o céu”

Foto: Humberto Araújo/Divulgação

Há 40 anos, Gilberto Gil presenteava o mundo com o disco “Refavela”, com vários sucessos, entre eles, “Ilê Ayê”, “Aqui e Agora”, “Babá Alapalá” e “Sandra”, a minha favorita. Há algumas semanas, Gil anda passando por capitais brasileiras com show em comemoração a esse LP tão lindo, poético e atual.

Infelizmente, Brasília – mais vez – ficou de fora de uma turnê tão grande e tão importante. Mas c’est la vie. Eu quero mesmo é falar da faixa-título que, quatro décadas depois, descreve o nó na garganta das periferias e do povo preto no Brasil.

Refavela revela aquela que desce o morro e vem transar
O ambiente efervescente de uma cidade a cintilar

A Refavela revela o salto que o preto pobre tenta dar
Quando se arranca do seu barraco prum bloco do BNH
[…]

A Refavela revela o choque entre a favela-inferno e o céu
Baby-blue-rock sobre a cabeça
De um povo-chocolate-e-mel

Exército nas ruas, casas arrombadas, humilhações e agressões físicas. Rocinha é um pedaço de Brasil que sonha em viver a prática dos direitos humanos.

Para quem quiser e puder fugir do caos por instantes, segue a programação cultural da cidade para os próximos dias.

Crowdfunding
A cia. víÇeras (foto no alto) está para lançar o espetáculo “Isto também passará, Antes que eu morra”. O projeto une teatro, cinema e dança e mostra as afetividades entre as mulheres. Para colocar a peça na praça, a companhia pede colaboração do público com um crowdfunding. Mais informações aqui.

De Caymmi a Metheny
Nos dias 28 e 29 de setembro, Pedro Vasconcellos faz show no Clube do Choro. No repertório, temas autorais e composições de artistas que influenciam o cavaquinhista, como Dori Caymmi, Charles Chaplin, Juarez Moreira, Ennio Morricone e Pat Metheny. No dia 28, Manassés de Sousa (violão) faz participação especial no show. No dia 29, Pedro recebe Leonel Laterza (voz).

Terror no CCBB
Entre os dias 13 e 31 de outubro, a mostra Rock Terror exibe filmes marcantes do subgênero do terror – com os “detalhes” que acompanham o estilo, como produções de baixo orçamento, efeitos especiais toscos e cenas propositalmente apelativas. A retrospectiva conta com obras do Japão, Alemanha, Índia, França, Inglaterra, EUA, Tailândia e Brasil. Tudo de graça. Confira a programação e as classificações indicativa.

Dez anos de samba
Em 2017, o Adora Roda comemora dez anos de carreira. No dia 1º de outubro, o grupo faz show em que celebra uma década de samba e anuncia o novo nome do grupo. A apresentação terá a presença do cantor e compositor baiano Nelson Rufino. Às 16h, no Círculo Operário do Cruzeiro.

Ao ar livre
Dia 7 de outubro tem Green Move Festival na Esplanada dos Ministérios. A banda Etno sobe ao palco às 16h, seguida da banda Dona Cislene (17h30) e da Orquestra Juvenil da UnB (19h). Nando Reis toca às 20h30 e Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá fecham a programação às 22h, com o show Legião Urbana XXX anos. Entrada franca.

Os caminhos da fotografia
Ainda dá tempo de conferir a exposição “Êxodos”, do fotógrafo Sebastião Salgado. A mostra está dividida em cinco temas centrais: África; Luta pela Terra; Refugiados e Migrados; Megacidades; e Retratos de Crianças. Até o dia 29 de outubro, das 9h às 21h (de terça a domingo).

Quase Carnaval
O Outro Calaf recebe a Prazerança – A festança dos Prazeres! dia 7 de outubro. A folia é por conta dos Blocos Falta Pouco e Calango Careta, e das DJ Karla Testa e Jul Pagul. Ingressos: R$15 (antecipados) e R$ 25 (na hora). Bloco Falta Pouco, Bloco do Calango Careta, DJ Karla Testa e Jul Pagul.

Encontro do ano
Já estão à venda os ingressos para o super encontro do mestre Paulinho da Viola com Marisa Monte. Será uma chance única para matar as saudades da Portela e de Madureira. Dia 20 de outubro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Disputa acirrada
Quem teve a chance de ir ao Festival de Brasília do Cinema Brasileiro gostou do que viu. “Arábia”, de Affonso Uchoa e João Dumans, levou o prêmio de melhor filme e “Era uma vez Brasília”, da prata da casa Adirley Queirós, a melhor direção. O meu queridinho “Café com Canela”, de Ary Rosa e Glenda Nicácio, ganhou o prêmio Júri Popular e Petrobras de Cinema.


Maíra de Deus Brito

29 de setembro de 2017