Com Pimenta

Revista Seca, um oásis no meio do deserto

Foto: Guilherme Santos Sul 21

Outro dia, em uma reunião de pauta, o Danilo – uma das cabeças da Seca, junto comigo e com o Vitor – me disse que nosso “jornalismo literário e gente boa” era baseado no afeto. Ou seja, a gente precisa escrever o que a gente acredita, mesmo que dê errado.

Na verdade, toda Seca#1 foi (e está sendo) incrível. Há alguns dias, liberamos a entrevista com Bruna Pereira sobre o Festival Latinidades, e até meados de julho, quando sai a Seca#2, tem novidade no site. A revista é mensal, mas entre dois números lançaremos matérias inéditas. Fiquem de olho!

No mais, seguem algumas novidades da cidade para os próximos dias. Tem algo bom para me contar? Anota aí: jornalistabrito@gmail.com

Tudo nosso

Um dos eventos mais bacanas do mês de julho já tem data para acontecer. Entre os dias 4 e 11, o Teatro da Caixa sedia a mostra “Diretoras Negras no Cinema Brasileiro”. A programação – toda gratuita – exibe filmes de Adélia Sampaio (foto acima), Yasmin Thayná e Flora Egécia, entre outras. A curadoria é de Kênia Freitas e Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida.

Monólogos

Depois de passar por Belo Horizonte e São Paulo, o espetáculo “Cachorro Enterrado Vivo” desembarca na cidade. Em cena, Leonardo Fernandes interpreta três monólogos em que diferentes personagens fazem parte da mesma situação: um vigia recebe a proposta para cavar uma cova e enterrar um cachorro. O impasse surge quando ele percebe que o animal está vivo. A direção é de Marcelo do Vale. De 12 a 30 de julho, no Centro Cultural Banco do Brasil.

Brasília-Cannes

A banda brasiliense Stoyca acabou de voltar do Marché International du Disque et de l’Edition Musicale (Midem), que acontece todo ano em Cannes (França). Parece que a banda – que já faz sucesso em Portugal – também conquistou os franceses. O disco de estreia “Ninguém Estava Aqui” está disponível no Spotify, Deezer, Apple Music e Soundcloud.

Pratas da casa

Dica boa para os artistas do DF: estão abertas as inscrições para a 12ª Edição do Festival Taguatinga de Cinema. Podem ser inscritos filmes de curta metragem – de qualquer gênero –, finalizados a partir de 1º de janeiro de 2015. Com o tema “Nossa Porção Mulher”, o festival acontece entre os dias 1º e 4 de novembro, no Complexo Cultural Teatro da Praça (Taguatinga). Mais informações aqui.

Athos, 100

Em 2 de julho de 2018, Athos Bulcão completaria 100 anos. O lançamento do “Catálogo do Acervo da Fundação Athos Bulcão” abre a série de comemorações da efeméride. A publicação bilíngue conta com 283 pinturas, gravuras, fotomontagens e estudos do artista carioca. Dia 1º de julho de 2017, às 17h, na Fundação Athos Bulcão (404 Sul).

Lançamento

A professora de Filosofia e artista plástica Márcia Tiburi volta a Brasília no dia 5 de julho. Na ocasião, Márcia lança o livro “Ridículo político: uma investigação sobre o risível, a manipulação da imagem e o esteticamente correto”. Pela relevância e contemporaneidade do tema, tudo indica que a obra será um sucesso como o trabalho anterior, “Como conversar com um fascista”. Às 19h30, na Fnac Brasília (ParkShopping).

Memória musical

No último dia 21 de junho, o Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB) lançou a versão reformulada do seu site – dono do maior catálogo online da música brasileira. Além dos 30 mil LPs, 32 mil discos 78 RPM, 12 mil CDs e 7 mil compactos (!!!), o público poderá conferir o trabalho de colunistas como Tárik de Souza (do livro “Tem Mais Samba”); André Diniz (“Almanaque do Samba) e Henrique Cazes.

Design em pauta

De 4 e 7 de julho, o Teatro da Caixa recebe o projeto “S+ Dobras”. A ideia é proporcionar a troca de experiências entre profissionais das mais diversas áreas do design editorial brasileiro. A abertura, no dia 4 de julho, é com a diretora de arte da extinta Cosac Naify e atual sócia da editora paulistana UBU, a designer Elaine Ramos. Informações aqui.

Piazzolla interpreta a Piazzolla

Sorte de quem conseguiu um ingresso para o show “3001 Projeto Piazzolla”, com a cantora Elena Roger e como grupo Escalandrum. Como o nome da apresentação indica, o repertório é um tributo ao músico e compositor argentino Astor Piazzolla, morto há 25 anos. Elena e banda – liderada por Daniel “Pipi” Piazzolla, neto do homenageado – interpretaram “Libertango”, “Oblivion” e “Milonga de la anunciación”, entre outras. O mérito do set-list foi trazer as composições com arranjos novos, mantendo a essência da obra original. Foram três dias de Teatro da Caixa lotado.

Conexão portenha

A quem interessar possa: vários trabalhos de Elena Roger e do grupo Escalandrum estão disponíveis nas plataformas digitais. Vale a pena conferir o som dos hermanos.


Maíra de Deus Brito

29 de junho de 2017